Algumas curiosidades sobre os painéis durante o Star Trek Day

Difícil escolher os tópicos… então seguem alguns pontos comentados em cada painel.

Wil Wheaton e Mica Burton fizeram um excelente trabalho como anfitriões dos painéis, além de mediar as participações, fizeram perguntas e interagiram bastante com os convidados.  Wil anunciou que apresentará o Ready Room (um programa pós-episódio das séries de Jornada nas Estrelas) após cada episódio da terceira temporada de Star Trek: Discovery.  Torcendo para termos acesso…

Painel #1 – Star Trek: Discovery

Sonequa Martin-Green fez o lançamento do trailer oficial da terceira temporada de Star Trek: Discovery. Falou do sentimento de esperança e otimismo, apesar do momento de incertezas. David Ajala foi apresentado como novo personagem (Cleveland “Book” Booker) e afirmou que terá uma inflência especial na vida de Michael Burnham. Alex Kurtzman e Michelle Paradise comentaram sobre os novos personagems nos episódios 3 e 4: Gray, que é Trill, e Adera, tem uma história em particular mas não revelaram nada além disso.

Painel #2 – Star Trek: Strange New Worlds

Anson Mount falou de como Pike soube das circunstâncias de sua morte e de como teve que aceitar a promoção para Capitão da Frota. Ethan Peck falou sobre representar Spock: desafiador. Rebecca Romijn revelou que conheceremos o passado de sua personagem, mas não pode falar mais nada agora. Os produtes e escritores se emocionaram ao comentar sobre diversidade e inclusão e o que Star Trek representa para eles e para os fãs.

Painel #3 – Star Trek: Enterprise

Linda Park, John Billingsley, Dominic Keating, Anthony Montgomery e Connor Trinneer comentam como se sentiam uma família em consequencia das boas atitudes de Scott Bakula, como agradecer o trabalho de todos no set de filmagem, independente da função de cada um.  Connor Trinneer falou de como odiou o Universo espelho, mas Linda Park adorou.  Também disse que em muitas convenções alguém diz que Jornada literalmente salvou sua vida e isto o faz sentir orgulhoso. Todos falaram sobre o que ainda Star Trek representa para eles após 20 anos:  inclusão, igualdade, esperança de que vamos superar os problemas, visão do futuro foram exemplos citados.

Painel #4 – Star Trek: Deep Space Nine

Interessante o que o produtor Ira Steven Behr comentou sobre o que seria DS9 a princípio: bem similar a série Gunsmoke. Terry Farrell, Alexander Siddig, Armin Shimerman, Nana Visitor, Cirroc Lofton consideram Star Trek um presente para eles, pois fez e ainda faz diferença na vida das pessoas, considerando muitos novos fãs da série, “novos” porque nasceram bem depois de seu início ou que recém descobriram a série. Inclusão foi um ponto muito discutido.  As homenagens a René Auberjonois e Aron Eisenberg foram bem comoventes.

Painel #5 – Star Trek, a série original

George Takei quis desesperadamente ser aceito e fazer parte da série, quando conversou com Gene Roddenberry e entendeu que seu papel teria grande importância na ruptura de estereótipos comuns na época. O suspense, antes de receber a ligação confirmando sua participação, foi tanto que ele saiu correndo pelas ruas para “gastar energia”.

Rod Roddenberry, filho do criador Gene, quando criança, considerava Star Trek como uma brincadeira e foram os fãs que o deixaram curioso do porque uma série poderia mudar a vida as pessoas. O episódio Devil in the Dark e depois Star Trek: The Next Generation foram importantes para ele perceber do que se tratava.  George complementou com: Infinitas Diversidades em Infinitas Combinações.

The Naked Time é o episódio favorito de George Takei; sentiu que contribuiu com o show; aprendeu esgrima para este episódio. Procurou aulas e seu treinador foi nada menos que o coreógrafo das lutas de espada das Aventuras de Robin Hood, filme que George assistiu e adorou quando criança.

Comovente ouvir a experiência de George e sua família; quando aos 5 anos de idade, durante a Segunda Guerra, teve que ir para um campo de concentração cercado por arame farpado porque o governo os considerou como inimigos, por causa da ascendência japonesa. Só saiu quando a guerra acabou e ele já era adolescente.  Sua família estava pobre, o governo tirou tudo deles: casa, trabalho, dinheiro. Moravam em um bairro pobre.  Este fato impulsionou seu ativismo por igualdade social.

Painel #6 – Star Trek: Lower Decks

Tawny Newsome, Jack Quaid, Noël Wells e Eugene Cordero e o criador e produtor Mike McMahan comentaram sobre as dificuldades extras de gravar os episódios durante a quarentena – como a música, as falas, cada um gravando em susas casas, mas isto tudo trouxe muitas surpresas boas. Mike revelou que John de Lancie, o Q, fará uma participação num episódio. Kirtwood Smith (que esteve no filme Jornada nas Estrelas VI: A Terra Desconhecida como o Presidente da Federação) também participará neste mesmo episódio, como um alien, mas não quis falar muito sobre ele.  Teremos muitas novidades na segunda parte da temporada 1.

Painel #7 – Star Trek: Voyager

Kate Mulgrew, Robert Picardo, Robert McNeill, Garrett Wang, Tim Russ e Ethan Phillips lembraram quando foram convidados pela Paramount para celebrar o 30º aniversário de Star Trek, considerando todos lá como “velhos” e agora aí estão eles 25 anos depois. Kate disse que levou uns 6 meses até se adequar ao personagem e sua linguagem “técnica”.  Todos falaram de seus personagens de uma forma saudosa mas como ainda mantem contato após anos do fim da série. Engraçado ver um colega aparecendo para falar um “oi” – Levar Burton, que dirigiu alguns episódios de Star Trek: Voyager.

Painel #8 – Star Trek: The Next Generation e Star Trek: Picard

Patrick Stewart e Jonathan Frakes falaram sobre o que tem feito nesta pandemia.  Patrick tem lido sonetos de Shakespeare todos os dias e trabalhado em seu livro de memórias onde conta histórias e piadas. Jonathan esteve digirindo a 3ª temporada de Star Trek: Discovery e disse que a boa convivência entre o elenco é muito parecida com a de Star Trek: The Next Generation. Interessante como Jonathan elogia a importância de Patrick para o ambiente de TNG, ele foi o responsável pela interação do elenco.  Patrick acha que herdou a liderança do pai, pois ele pertenceu ao exército inglês.

O episódio Nepenthe, de Star Trek: Picard, foi o mais emocionante da temporada para Wil. Jonathan concorda sobre ser emocionante – o abraço, quando viu Picard entrar em sua casa, foi bem natural.  Patrick achou o encontro estimulante, pois não eram mais o Picard e o Riker de antes. Sobre o final da temporada com o ato heróico de Riker, foi bem agitado para porque estava em Toronto filmando Star Trek: Discovery quando o maquiador e estilistas foram até lá para prepará-lo para a cena.  Ele estava praticamente sozinho no cenário que consistia em uma cadeira.  Adorou as falas.

Além do relacionamento estreito entre os personagens Picard e Riker, os atores puderam dirigir uns aos outros. Patrick dirigiu alguns episódios de TNG somente porque Jonathan mostrou como fazer, já que ele estudou na Paramount com muito tempo de dedicação.  Patrick disse que apesar do grupo ser de pessoas que conhecia e confiava, fizeram muitas brincadeiras com ele, mas sentiu ter muito apoio dos colegas. O episódio Fistful of Datas foi um desafio assustador para ele, pelo pouco tempo para filmar tudo (1 dia nos estúdios da Warner Bros).  Agora Patrick, como produtor executivo, tem muito contato com os escritores de Star Trek: Picard e revelou que os 4 primeiros episódios da segunda temporada são diferentes de tudo que já leu sobre Star Trek. São extraordinários, com complexidade e caracterização intensa trazendo situações inesperadas – e ele não vê a hora de começar.  Jonathan realmente espera poder dirigir episódios.

O último assunto foi o relacionamento do elenco de TNG, que se transformou na família que Wil não teve. Patrick caracteriza este relacionamento como se todos estivessem apaixonados uns pelos outros e Jonathan comentou que não sabiam sobre o problema que Wil enfrentava.  Elogiou muito sua maneira de trabalhar nestes painéis: com humor mas ao mesmo tempo com seriedade.  Wil tinha lágrimas e teve que pausar senão ia chorar..

E assim acabou o Star Trek DayVida longa e próspera!



« (Notícia Anterior)



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.